Destaque
Publicado em Animais são Anjos

A maior obra social do Planeta Terra!

gatinho-rezando-grande-completo

Imagine socorrer seres vivos que estão em situação de risco, que sofreram queimaduras, espancamentos, fraturas, atropelamentos, envenenamentos. Olhos aflitos, que guardarão traumas profundos pelo resto da vida. Criaturas separadas de suas mães e irmãos, que jamais conheceram seu pai, que foram atiradas na rua sem nenhum bem material, sequer com a roupa do corpo.

Não sabem seu nome, não possuem nacionalidade, sofrem discriminação de gênero, raça, porte e por suas necessidades especiais. São escravizados e precisam farejar drogas, enfrentar tiroteios, obrigados a guiar cegos e descartados sem piedade ao final de sua vida “útil”. Anjos usados para testar cosméticos e remédios, vendidos e explorados de todos os modos, em nome da vaidade humana.

Aí, eles chegam à nossa casa e são acolhidos com respeito, carinho, conforto.
Recebem água fresca, ração de boa qualidade, remédios e uma cama quentinha,
além de uma grande família, que os aceita como são.

Fizemos disso a nossa missão de vida, cumprindo o primeiro mandamento de Deus a Adão, ainda no Jardim do Éden, antes de existir pecado no mundo (Gênesis 2:15 e 19). A palavra viva do Eterno, testemunho fiel do AMOR d’Ele para conosco. Quer participar desta bênção, que é receber ANJOS em sua casa? Abra sua porta e adote algum deles que estiver vagando aí pela sua rua.

Conte para as pessoas como é bom acordar com o toque de um focinho gelado e ser recebido em casa com lambidas, festinha e um rabo abanando, feliz. Mostre a Deus que você é merecedor de tudo aquilo de bom que tanto pede em oração: VENHA A NÓS O VOSSO REINO. Peça e ele virá, de verdade, na forma de um animal de rua. Persista em fazer o bem e VOCÊ irá até o Reino!

Família Erasmo Francisco de Oliveira.sorriso do cachorro

Publicado em Animais são Anjos

Me faltou MARQUETINGUE?

Cachorrinho marrom fofoMinha família acolhe e convive com animais há setenta anos e com eles aprendemos muito mais do que aprenderíamos com qualquer guru humano. 

O olhar de um animal é o melhor argumento de Marketing para convencer alguém a adotá-lo e eu perdi anos escrevendo motivos e mais motivos para que as pessoas adotassem um cão ou gato. A grande verdade é que estou malhando em ferro frio, tentando abrir os olhos de uma multidão de cegos voluntários, que insistem em pagar caro para ouvir e ler as bobagens escritas por Seres Humanos, enquanto desprezam a palavra viva de Deus, que é a Natureza, tudo o que nos é dado GRATUITAMENTE, 24 horas por dia e que poucas pessoas enxergam. 

Agradeço a quem tentou me mostrar como eu deveria agir para tornar mais comercial minha cruzada, mas entendi que não vim ao mundo para aprender a ser mais um, preciso aproveitar bem o pouco tempo que me resta neste plano material, para melhorar como pessoa e para conviver com meus amigos de patas. E, se quiser mesmo fazer a coisa certa, peça que venha a você o Reino de Deus e Ele lhe enviará um ANJO DE PATAS, como esse da foto. Simples assim!

Publicado em Animais são Anjos

3 maneiras de medicar o seu gato

Gato-tomando-remédio

O veterinário do seu gato receitou um remédio e você está com dificuldades de fornecer? Calma, para deixar todas as mamães e papais bem tranquilos, dizemos que não é impossível fazer isso sozinho e em casa. É verdade que os gatos apelam para a desobediência nesse momento, pois é de sua natureza serem desconfiados e ter aquela patinha atrás com atitudes consideradas suspeitas. Pensando nos tutores, o Médico Veterinário Marcello Machado fez uma lista mostrando como dar a medicamentação para seu felino!

1 – Remédio Líquidos e/ou Xaropes

Introduza o remédio com a ajuda de uma seringa própria para o felino. É importante medir a quantidade receitada pelo veterinário, pois assim você evita que ocorram intoxicações e outros acidentes com o seu gato. Pegue-o no colo, faça bastante carinho e deixe um petisco sempre à vista, assim você fará com que seu pet associe o remédio a uma recompensa positiva ao final de todo o processo. Mantenha sempre o diálogo com seu pet e, quando ele estiver tranquilo, puxe o lábio dele e apoie o bico da seringa. Pressione lentamente a seringa para que o peludo não engasgue e para que o animal ingira o líquido de forma gradativa. Evite que o felino tenha reações físicas, pois é perigoso machucar o pescoço ao tentar escapar. Outra dica é embrulhá-lo em uma coberta para que fique bem confortável e evite que você seja arranhado com as garras do gato.

2 – Medicamentos Sólidos

Dar um remédio em forma de comprimido para um gato não é tão amistoso como acontece com um cão, pois os felinos são mais ariscos. Uma dica é misturar o comprimido em algum alimento que o gato goste muito, por exemplo um petisco mais macio ou um patê. Dê um pedaço sem o remédio, depois ofereça o pedaço com o comprimido escondido e por último dê outro sem nada. Espere e certifique-se de que o pet engoliu tudo. Outra forma é pegá-lo de costas para você, colocá-lo entre suas pernas, segurar a cabeça e colocar o medicamento bem mais do que a metade da língua – segure a boca para que ele engula. Essa é uma maneira interessante e que evita que o felino fique exaltado e machuque você sem querer, pois quando o gato não encara o tutor é menos provável que ele fique estabanado e/ou agressivo. Para facilitar mais ainda, no mercado existem os aplicadores de comprimidos, eles introduzem o remédio diretamente na garganta sem que o pet sinta o gosto da medicamentação.

3 – Remédios Pastosos

Os remédios em pasta tem sido os mais indicados para os felinos, sendo também a forma mais tranquila de fornecer a medicação para o peludo. A pasta pode ser passada nas patinhas, pois instintivamente, o gato tende a lamber. Outro ponto bem estratégico é no focinho. Nesses casos, a única preocupação é verificar se o pet lambeu toda a pasta e não deixar que a medicação caia sem antes ele ter lambido completamente.

Publicado em Animais são Anjos

Vamos reciclar nossos conceitos!

Operação Detran 9.pngPara celebrar o dia Internacional da Reciclagem (17/05), a Gerdau anuncia uma de suas iniciativas para promover a descontaminação ambiental por meio da reciclagem veicular. Até o momento, a Companhia já ajudou a reciclar, por meio de sua estação móvel coletora de fluídos (Ecofluv), mais de 60 mil veículos, além de outros co-reciclados como: 18 mil litros de óleo, 12 mil litros de combustível, 18 toneladas de baterias (chumbo) e mais de 300 toneladas de materiais não ferrosos.

Gerdau promove a descontaminação ambiental por meio da reciclagem veicular  

Estação móvel coletora de fluídos torna processo mais seguro e sustentável

Cada vez mais se fala sobre a importância da economia circular para o futuro do planeta. Um dos temas defendidos pela teoria é a otimização do capital natural de forma regenerativa por meio de um ciclo contínuo que mantém a utilidade de resíduos, transformando-os em insumos para a produção de novos produtos. Para a Gerdau, maior recicladora de sucata ferrosa da América Latina, o assunto é de extrema importância. Pensando em soluções que possam contribuir para o desenvolvimento sustentável da cadeia de produção, a Companhia apresenta o Ecofluv, estação móvel coletora de fluídos veiculares, e também uma das responsáveis pelo processo de reciclagem de mais de 60 mil veículos em diversos estados do Brasil.

Implantado pela empresa em 2010, o projeto de reciclagem possui sete unidades Ecofluv em operação e já foi responsável pela co-reciclagem de mais de 18 mil litros de óleo, 12 mil litros de combustível, 18 toneladas de baterias (chumbo) e mais de 300 toneladas de materiais não ferrosos.

Como primeira e fundamental parte do processo de reciclagem de automóveis, motos e caminhões, cada estação móvel chega aos pátios e depósitos de sucata e realiza a descontaminação ambiental de 50 veículos diariamente, retirando peças como cilindros, baterias, catalizadores e fluídos inflamáveis que possam gerar risco de explosão. Esses materiais são encaminhados a empresas que os reutilizam e reciclam. Depois da descontaminação, os carros são encaminhados para compactação, inutilizando todos os seus componentes. Após isso, seguem para o triturador, onde acontece a separação de materiais não ferrosos e de sucata que esteja em condição de reaproveitamento. Na sequência, eles são enviados para uma das usinas da Empresa, onde a sucata é transformada em aço.

“Para a Gerdau, a reciclagem da sucata ferrosa é coisa séria. Somos pioneiros no desenvolvimento de estações de coleta de fluídos veiculares no Brasil. Essa estação permite a descontaminação do veículo obsoleto, tornando-o apto para ser transformado em aço novamente. Assim contribuímos com a economia circular e desenvolvimento sustentável de nosso país” destaca, Fernando Pessanha, diretor de Matérias-primas e Suprimentos da Gerdau. 

A companhia planeja inaugurar mais estações móveis em 2017, que serão responsáveis pelo aumento no processamento dos veículos, chegando a possibilidade de triturar até mil carros por semana.

O processo de reciclagem veicular já é uma prática comum em países da Europa, Japão e nos Estados Unidos, onde 95% dos carros que saem de circulação são reciclados. No Brasil, de acordo com estudo da GO Associados, apenas 1,5% da frota é reciclada. Com cerca de 40 milhões de veículos em circulação no país, especialistas do setor defendem a criação de um processo que viabilize de forma mais rápida e efetiva a reciclagem para a renovação da frota brasileira. 

Sobre a Gerdau

A Gerdau é líder no segmento de aços longos nas Américas e uma das principais fornecedoras de aços especiais do mundo. No Brasil, também produz aços planos e minério de ferro, atividades que ampliam o mix de produtos oferecidos ao mercado e a competitividade das operações. Além disso, é a maior recicladora da América Latina e, no mundo, transforma, anualmente, milhões de toneladas de sucata em aço, reforçando seu compromisso com o desenvolvimento sustentável das regiões onde atua. As ações das empresas Gerdau estão listadas nas bolsas de valores de São Paulo, Nova Iorque e Madri.

NOTA DA REDAÇÃO: VEJA NOSSA PROPOSTA DE FINANCIAMENTO DE HOSPITAIS VETERINÁRIOS GRATUITOS EM TODO O BRASIL, USANDO-SE RECURSOS PROVENIENTES DA RECICLAGEM DE VEÍCULOS ABANDONADOS (CLIQUE AQUI)

Publicado em Animais são Anjos

Osteoporose

osso osteoporoseA Osteoporose é uma doença que não atinge apenas humanos, como também os animais. A Coordenadora da Comunicação Científica e Médica Veterinária da Total Alimentos, Bárbara Benitez, explica o que é a doença, as causas, tratamento e como evitar que a doença ocorra nos animais de estimação.

“De forma geral, as doenças ósseas estão relacionadas ao desequilíbrio nas concentrações de cálcio, fósforo e vitamina D, e todos esses nutrientes podem ser encontrados em rações de qualidade com teores adequados destes minerais citados”, explica Bárbara. 

cão idosoOSTEOPOROSE NOS ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO

Alimentação com níveis adequados de Vitamina D, cálcio e fósforo fazem a diferença para evitar o surgimento da doença

É comum surgir problemas ósseos em cães e gatos, seja pela idade do animal, pela má formação do esqueleto e até mesmo, pela alimentação inadequada. A osteoporose é caracterizada pela incapacidade do tecido ósseo em absorver o cálcio.

De acordo com Bárbara, os animais maduros e que tiveram má alimentação quando filhotes são os mais propensos a apresentarem a doença. “A osteoporose está presente principalmente nos animais idosos e que tiveram uma alimentação desfalcada de nutrientes, pois os ossos que não receberam a quantia correta de nutrientes vão ficando porosos, o que resulta em desgastes e fraturas espontâneas”, explica.

A doença deve ser acompanhada pelo exame de Raio-X, no qual é possível verificar o grau e anormalidade da densidade óssea do animal. “O tratamento canino necessita ser diagnosticado o quanto antes para obter melhores resultados e evitar o agravamento do quadro, por isso a importância de procurar um médico veterinário assim que identificar alguma modificação na postura do animal ou na anatomia óssea”, acrescenta Bárbara.

As formas de tratamento variam muito, vão de suplementos vitamínicos à base de cálcio, fósforo e vitamina D, que promove a regulação destes minerais no organismo do animal, até compostos específicos para um determinado caso. “De forma geral, as doenças ósseas estão relacionadas ao desequilíbrio nas concentrações de cálcio, fósforo e vitamina D, e todos esses nutrientes podem ser encontrados em rações de qualidade com teores adequados de minerais. Por isso, é sempre importante consultar um Médico Veterinário desde a adoção e seguir seus conselhos, pelo bem de nossos amiguinhos mais idosos!